Entenda a doença de Paget

A Doença de Paget nas Mamas é um tipo raro de câncer de mama que atinge o mamilo e a aréola, geralmente em apenas uma das mamas. Ela pode acometer tanto mulheres quanto homens e possui como sintomas:
  • Irritação na área acometida;
  • Descamação ou coceira;
  •  Prurido;
  •  Inversão do mamilo.
Em qualquer sinal de alteração nas mamas, agende uma consulta com uma mastologista para que seja realizado exames de detecção da doença, assim garantindo o sucesso do tratamento.

Biópsia líquida: é possível detectar o câncer de mama por exame de sangue?

A biópsia líquida tem dado o que falar por se apresentar como uma forma menos invasiva de detectar o câncer de mama por meio de exames de sangue, mas ainda não existem dados científicos que comprovem a eficácia desse tipo de técnica para rastreamento da doença.

Por isso, a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) não recomenda o uso de biópsia líquida para o rastreamento da neoplasia, reforçando que apenas a mamografia é comprovada como forma de rastreio e redução da mortalidade pelo câncer de mama.

Você sabe o que é polimastia?

A polimastia ou mama acessória, é uma condição rara, com ocorrência de 0,4 a 0,6% entre as mulheres, causando desconforto estético e/ou social, além de influenciar significativamente na autoestima da pessoa com essa condição.

“Existe ligação entre a perda de peso e o risco de câncer de mama?”

Cada vez mais pessoas têm buscado por mais saúde e qualidade de vida. Por isso, o número de cirurgias bariátricas tem se tornado uma crescente no Brasil.

Recentemente, JoJo Toddynho deu uma entrevista falando sobre sua decisão de se submeter a cirurgia. Não é de agora que a cantora tem optado por melhorar a saúde através de hábitos mais saudáveis, como fazer exercícios físicos.

Se você me acompanha a um tempo, já deve ter me visto falar da importância de manter hábitos mais saudáveis e como a obesidade aumenta o risco do câncer de mama.

Esse foi o questionamento levantado por um estudo publicado no JAMA (2023), com 69.260 mulheres de diferentes Índices de Massa Corporal (IMC), durante cinco anos, divididas em dois grupos: com bariátrica e sem o procedimento cirúrgico.

Também foram feitos subgrupos de acordo com o IMC.

O grupo que realizou a cirurgia bariátrica, e perdeu peso, apresentou uma diminuição no risco de câncer de mama em comparação ao grupo com sobrepeso e/ou obesidade.

menor destaque: “Não houve risco residual de câncer de mama associado à perda de peso após a cirurgia bariátrica” (JAMA, 2023)

Portanto, mulheres que possuem o IMC < 25, com o auxilio da cirurgia bariátrica, apresentam menos risco de câncer de mama. Bem como, uma melhora na qualidade de vida e no risco de desenvolver outros tipos de doença.

O que é gigantomastia?

A gigantomastia é uma condição que pode ser causada por fatores genéticos e/ou hormonais. Ela pode causar desconforto para a mulher e problemas como dores e baixa autoestima.

A Gigantomastia se caracteriza pelo crescimento exacerbado das mamas, gerando desproporcionalidade do peito em relação ao resto do corpo.

Essa condição pode causar dores nas costas e ombros, problemas posturais, assaduras, dificuldade de encontrar roupas, e restrição da mobilidade.

Mamas grandes demais também podem causar baixa autoestima e prejudicar a qualidade de vida da mulher.

Em muitos casos, para além do uso do sutiã com suportes adequados, é indicada a realização da mamoplastia redutora ou cirurgia de redução das mamas.

Esse procedimento alivia os sintomas físicos de forma duradoura pela diminuição do volume e tamanho das mamas.

O tratamento mais indicado para a gigantomastia é a mamoplastia redutora, mas a decisão deve ser tomada a partir do estado clínico da paciente e avaliação da médica mastologista.

Se você tem gigantomastia ou alterações nas mamas, agende uma consulta com a mastologista para aconselhamento!

Quanto tempo leva para o câncer de mama se manifestar?

Cada tipo de câncer pode se desenvolver de formas e períodos diferentes no organismo de cada pessoa. Além de todos os fatores genéticos ou externos, tais como alimentação, exercício físico, exposição ao hormônio de estrogênio, entre outros.

Depende dos fatores genéticos e/ou externos, do grau e estadiamento da doença pode ser um processo de meses ou até mesmo anos.

O câncer pode se desenvolver sem apresentar sinais visíveis ou palpáveis, por isso, a realização de acompanhamento e exames periódicos é importante para identificar tumores no início da doença e impedindo que ela se desenvolva.

Por isso, é indispensável acompanhamento periódico com o mastologista com ou sem sintomas visíveis ou palpáveis.

Condições benignas das mamas

Existem muitas dúvidas sobre alterações nas mamas, sempre que uma paciente recebe um diagnóstico vem o medo de ser uma alteração cancerígena ou não. Por isso, trouxe as principais alterações benignas das mamas.

Cistos mamários;
Fibroadenoma.
tumor filoides;
papiloma;
mastalgia;
cistos;
mastite

Essas condições são comuns e não cancerosas, mas ainda assim merecem atenção e cuidado. Busque sempre consultar uma mastologista para mais informações sobre seu quadro e tratamento adequado.

Você sabia que a mudança na densidade mamária também pode ser um fator de risco?

Idade, histórico familiar e índice de massa corporal (IMC) são indicadores importantes para avaliar o risco de câncer de mama. Mas você sabia que a mudança na densidade mamográfica também pode ser um fator de risco?

Um estudo realizado pela JAMA Oncology analisou, durante 10 anos, as mudanças na densidade mamográfica de mulheres com idade entre 40 e 65 anos, sendo 289 pacientes com câncer de mama e 658 controles (que não possuem a doença), e como essas mudanças podem estar associadas ao risco de câncer de mama.

Além da mudança na densidade mamográfica, o estudo também avaliou outros fatores de risco conhecidos para o câncer de mama, como idade, índice de massa corporal e história familiar da doença.

As mulheres que apresentaram uma diminuição na densidade mamográfica em uma das mamas, tiveram um aumento no risco de desenvolver câncer de mama em comparação com mulheres cuja densidade mamográfica permaneceu constante em ambas as mamas.

A avaliação das mudanças da densidade mamográfica a partir do exame de mamografia, pode ser um indicador adicional para avaliar o risco de câncer de mama e as estratégias para prevenção da doença.

Vale ressaltar a necessidade e importância do exame de mamografia para o acompanhamento e diagnóstico do câncer de mama.

Principais tipos de biópsias mamárias

🌸 Quando os exames de imagem identificam lesões suspeitas é solicitada uma biópsia mamária para avaliação laboratorial. Esse tipo de exame é muito seguro e em muitos casos é realizado ambulatorialmente, porém os diferentes tipos podem causar confusões em algumas mulheres.

▶️ Nesse vídeo abordamos os principais tipos de biópsia e como são feitas.

E você, já conhecia algum desses exames? 💖