Giovanna Gabriele Médica Mastologista

A quem devo recorrer para cuidar da mama?

O cuidado e a atenção às mudanças em nosso corpo devem estar em nosso cotidiano. Nós temos que conhecer mais, pesquisar mais e perguntar mais. Cuidar da mama é obrigação de toda mulher. Não se vence uma luta sem ajuda, por isso também é importante buscar regularmente acompanhamento médico.

O médico especialista em cuidar da mama é o mastologista. O tratamento de doenças como o câncer de mama exige uma equipe multidisciplinar. O médico mastologista e cirurgião é como um maestro de uma equipe que participam oncologistas, radioterapeutas, psicólogos e fisioterapeutas.

Giovanna Gabriele – Médica Mastologista. (11 3071 1812)

Saúde dos seios

400 Motivos para você cuidar das mamas

O ciclo menstrual padrão tem duração média de 22 a 35 dias, neste período o corpo da mulher se prepara para uma gravidez, que na maioria das vezes não se concretiza. Devido às mudanças hormonais durante o ciclo menstrual, as mamas expandem e, quando não acontece a gravidez, elas se retraem, funcionando como um elástico que pouco a pouco pode causar problemas estruturais – displasias mamárias.

No fim do século 19 e início do século 20, as mulheres casavam cedo e engravidavam em média de dois em dois anos. Elas menstruavam dos 12 aos 15, depois passavam dos 15 aos 45 anos praticamente sem menstruar devido às sucessivas amamentações e gestações. Segundo estudos realizados no Brasil, naquela época, as mulheres menstruavam cerca de 50 vezes em toda vida. Nos dias de hoje, a mulher que menstrua pela primeira vez aos 14 anos e chega aos 50 com dois filhos, passou em média por 400 menstruações.

Estilo de vida, idade, genética, circunstâncias emocionais e nutricionais influenciam diretamente na permanente evolução da mama. Por todas estas razões, não abra mão do acompanhamento regular de uma Médica Mastologista.
Giovanna Gabriele – Médica Mastologista. (11 3071 1812)

Giovanna Gabriele Médica Mastologista

Como escolher o sutiã?

Sabemos que a pele das mamas é muito sensível, por esta razão é preciso ter bastante atenção na hora de escolher o sutiã. Veja abaixo três dicas básicas:

1. Formato: para as mamas volumosas, evitar sutiã que pressione muito. Aquele sutiã com elástico esticado na região inframamária pode causar inflamações cutâneas. Neste caso, o recomendado são os modelos básicos, sem aro e com maior capacidade de sustentação. Para as mamas pequenas, a sugestão é usar sutiãs com arco, ou demitasse, ou sutiãs gorge, os quais evitam que as mamas se espalhem para os lados.

2. Tecido: optar por sutiã em algodão, pois absorve a transpiração, evitando o atrito do suor com a pele, que pode provocar inflamações. Além do algodão, também é recomendado sutiãs com fibras sintéticas de origem natural, que são capazes de manter a pele respirando. Por outro lado, vale destacar que nem mesmo os sutiãs de seda são bem-vistos, pois a seda não garante a absorção do suor.

3. Cor: considerar que a cor faz diferença. Sutiãs com tons fortes (ex., vermelho, azulão ou preto) não são recomendados para o uso diário, pois não absorvem a transpiração, além de serem tingidos com corantes, os quais aumentam as chances de aparecimento de diversas alergias e de eczemas de contato.

Enfim, o sutiã ideal é aquele que dá sustentação e não pressiona demasiadamente a mama, além de absorver o suor e evitar os atritos.

Dicas para o cabelo crescer pós quimioterapia

3 dicas para o crescimento do cabelo pós quimioterapia

Após a quimioterapia, o cabelo leva cerca de dois a três meses para voltar a crescer, e é comum o novo cabelo nascer um pouco diferente, mais liso ou mais cacheado, até mesmo com cor diferente. Em cerca de um ano, a maior parte das pessoas volta a ter seu cabelo original, mas em alguns casos o indivíduo passa a ter um novo tipo de cabelo permanentemente.
Separamos 3 dicas básicas que podem ajudar seu cabelo crescer mais rápido e saudável:

1. Consuma alimentos ricos em vitaminas do complexo B e vitaminas A, C, D, e E. As vitaminas ajudam a manter a pele e o couro cabeludo saudáveis, além de fortalecerem os fios.

2. Não utilize produtos químicos. Produtos químicos podem ferir o couro cabeludo e até enfraquecer os fios novos.

3. Logo que os fios começarem a crescer, faça hidratação capilar. A hidratação ajudará a fortalecer o cabelo e melhorar a textura.

Não abra mão de ter uma mastologista para orientar você a cuidar das suas mamas. Giovanna Gabriele – Médica Mastologista. (11 3071 1812)

coceira insistente nos seios

Coceira insistente no peito

Pele seca, escabiose (sarna), micose de pele, banhos quentes (já falamos sobre isso aqui) e exposição ao sol são algumas causas de coceira. As coceiras nas mamas também podem ocorrer devido ao esticamento da pele causado pelo inchaço decorrente das alterações hormonais do ciclo menstrual.

Atenção: coceira e vermelhidão constantes no bico do peito podem ser indicativos de um tipo raro de câncer de mama, chamado doença de Paget. Os sintomas da doença de Paget são: coceira no mamilo, feridas na aréola, eliminação de secreção e dores.

Se estiver com esses sintomas, não perca tempo e procure uma mastologista. Giovanna Gabriele – Médica Mastologista (11 3071 1812)

Secreção nos seios

Secreção nas mamas – Saiba mais

Antes de qualquer coisa, é importante sabermos que o mamilo é um órgão secretor, ou seja, a secreção mamária é natural e pode acontecer discretamente nas mulheres saudáveis. Trata-se de uma espécie de “autolimpeza”, pelo qual os ductos mamários secretam um líquido para retirar células velhas.

Porém, existem outras secreções, aquelas incolores ou com sangue, as quais podem ser sinal de doenças da mama. As secreções amarelas, marrons e esverdeadas quase sempre estão relacionadas ao alargamento dos ductos mamários.

Caso você esteja com dúvida sobre a cor do líquido, um bom truque é colocar um lenço branco no mamilo. Se confirmado, procure imediatamente um médico especializado em mamas. Giovanna Gabriele – Médica Mastologista (11 3071 1812)

mamas volumosas e o câncer de mama

Mamas volumosas representam maior risco de desenvolver câncer de mama?

Não, o volume das mamas não é considerado um fator de risco para o desenvolvimento do câncer. No entanto, fatores que determinam o tamanho podem ter relação com a doença. Vamos entender três fatores determinantes para o tamanho das mamas.

•Genética: geralmente o tamanho das mamas segue um padrão hereditário. Não é regra geral, mas essa ocorrência tem maior probabilidade de ocorrer com uma mulher que herdou de sua mãe a característica de mamas grandes.
•Hormônios: problemas de saúde física ou psicológica podem alterar a produção de hormônios que chegam às glândulas mamárias, podendo consequentemente afetar diretamente o desenvolvimento das mamas
•Peso: as mamas são compostas por reservas de gordura. Se a mulher ganhar peso, naturalmente, parte dessa gordura vai para as mamas

Nossa indicação é que você cuide da sua saúde mental e física para que seu corpo se desenvolva de forma equilibrada e saudável. Não tire conclusões precipitadas, marque sua consulta com uma mastologista. Giovanna Gabriele – Médica Mastologista (11 3071 1812)

3 motivos para ir a mastologista

3 razões para ir ao mastologista.

Mastologia é a especialidade médica que objetiva prevenir, diagnosticar, tratar e reabilitar as doenças da mama, inclusive câncer. Abaixo listamos três razões para você buscar esse profissional:

1. Alterações nas mamas: De acordo com a Sociedade Brasileia de mastologia qualquer pessoa que apresentar quaisquer alterações nas mamas (Buracos, assimetria, secreções anormais, vermelhidão/ardor, nódulo interno), independente da idade, deve procurar o mastologista.

2. Prevenção: É recomendado fazer a primeira mamografia aos 35 anos. A partir dos 40 anos é necessário repetir o exame anualmente, inclusive nas mulheres que não apresentam fatores de risco ou sintomas.

3.  Orientações valiosas: ir ao mastologista é se informar sobre hábitos saudáveis de alimentação, postura, roupas adequadas e outros fatores que contribuem para a saúde das mamas.

Giovanna Gabriele – Médica Mastologista (11 3071 1812)

mama maior do que a outra Dra Giovanna Gabriele

É normal ter uma mama maior do que a outra?

Assimetrias são comuns em nosso corpo, um lado do rosto é maior do que o outro, uma orelha maior do que a outra, entre outros exemplos. Isso ocorre também nas mamas, normalmente são diferenças de tamanho pouco significativas. Na adolescência quando estão se desenvolvendo a diferença pode ser mais notada.

Durante a amamentação a diferença entre as mamas também pode ficar mais evidente, por isso é indicado que sejam esvaziadas igualmente. Você não precisa se preocupar com a diferença entre seus seios, porém se a incomoda, o ideal é procurar um médico mastologista que poderá tirar suas dúvidas e ajudá-la com tratamentos e indicações cirúrgicas de acordo com o seu caso.

Giovanna Gabriele – Médica Mastologista (11 3071 1812)

Dra Giovanna Gabriele Mastologista

É indicado lavar as mamas com água quente?

Aquele demorado banho quente no fim do dia é revigorante! Entretanto, devemos ficar atentas ao tomar banho com água muito quente, acima de 37° graus. A temperatura elevada pode causar ressecamento, flacidez e perda de firmeza da pele.

A região das mamas é uma das mais sensíveis do corpo e por essa razão, é a que mais sofre com variações de temperaturas. Além de evitar banhos quentes, é importante a utilização de um bom creme hidratante para manter a pele bem hidratada e nutrida. Se a região apresentar descamação ou mudança na coloração, pode ser um sinal de infeção causada por bactéria ou fungo e o ideal é procurar um mastologista.

Giovanna Gabriele – Médica Mastologista (11 3071 1812)