Semana Mundial do Aleitamento Materno (SMAM)

A Semana Mundial do Aleitamento Materno (SMAM) é uma campanha criada pela Aliança Mundial para Ação em Aleitamento Materno (WABA, na sigla em inglês), e todo ano, mundialmente, é comemorada entre os dias 1 a 7 de agosto. A intenção dessa ação é dar visibilidade e promover informação acerca da importância da amamentação para as crianças e também para as mães.

A amamentação propicia vários benefícios para o bebê, consequentemente para a mamãe e o papai. Algumas das vantagens têm a ver com: O equilíbrio dos nutrientes contidos no leite, fortalecimento do sistema imunológico, ajuda no desenvolvimento do cérebro, fortalecimento do vínculo entre mãe e filho.

Devido a todas estas vantagens, a Organização Mundial da Saúde recomenda que o bebê seja alimentado exclusivamente com o leite materno até os seis primeiros meses de vida e de forma complementar até os dois anos de idade. Dra. Giovanna Gabriele – Médica Mastologista. (11 3514 6000)

Amamentação: 3 Dificuldades iniciais e como superá-las

“A pega”: A primeira dificuldade de toda mãe é como conseguir a pega correta para amamentar. A “má pega” acontece quando o bebê coloca somente o mamilo na boca. A solução é colocar toda a aréola na boca do bebê para que ele possa sugar de maneira correta. A “má pega” causa dor nos mamilos, fissuras e rachaduras.

Produzir pouco leite: A principal causa para a produção insuficiente de leite é provavelmente a “má pega” que causa a falta de estímulo nas glândulas mamárias para a produção do leite. Quando a pega do bebê é feita de forma correta a produção de leite deve aumentar num prazo de três dias.

Não esvaziar o peito regularmente: Quando o peito não é esvaziado de forma regular, ele empedra, causa inflamação, abscessos e o bebê não consegue mamar. O ideal é esvaziar as mamas com uma bomba tira-leite ou por ordenha manual. Tem muito leite? Doe para um Banco de Leite!

Em caso de dúvidas, procure Giovanna Gabriele – Médica Mastologista (11 3514 6000).

Principais direitos sociais da mulher com câncer de mama

Segundo o Instituto Nacional do Seguro Social (INCA) estima-se que em 2018 serão registrados cerca de 59.700 novos casos de câncer de mama. Para estas mulheres além de lutar contra a doença e passar por todo tratamento médico é necessário também conhecimento para que possam exigir por seus direitos.

É responsabilidade do Sistema Único de Saúde (SUS) garantir e arcar financeiramente com o diagnóstico e tratamento da doença. Exame de mamografia, tratamento para infertilidade motivada pelo câncer, cirurgia de retirada da mama e cirurgia de reconstrução da mama são alguns dos benefícios assegurados pelo SUS a todas as mulheres.

Para as mulheres que contribuem com o (INSS) é possível ter acesso ao auxílio-doença, aposentadoria por invalidez e também o auxílio ao acompanhante. Para ter direito aos benefícios a paciente precisa passar pela perícia feita por médicos do INSS. Mais informações e o requerimento do benefício podem ser conseguidos nos canais de atendimento do INSS: pela central 135, internet ou na própria agência.

Quanto aos meios de locomoção alguns municípios e estados concedem passe livre no transporte coletivo. A paciente também poderá solicitar a isenção de impostos como ICMS, IPI e IPVA na compra de veículos adaptados.

Previna-se. Procure Giovanna Gabriele – Médica Mastologista (11 3514 6000).

Calcificações na mama são comuns, mas merecem atenção

É natural que durante o processo de envelhecimento a mulher apresente calcificações na mama, isso ocorre devido a um processo degenerativo das células mamárias. A Maioria das mulheres viverá com cristais de cálcio normalmente, sem dores ou desconfortos. O problema é quando as calcificações apresentam certas características que podem evoluir para um câncer de mama.

As calcificações mamárias podem ser de dois tipos: macrocalcificações ou microcalcificações. As macrocalcificações podem ter vários milímetros de diâmetro, com forma irregular e em geral estão relacionadas com processos benignos. Já as microcalcificações podem estar relacionadas ao câncer de mama e são tão pequenas que não são palpáveis nem pelo médico nem pela paciente. O único exame que efetivamente detecta microcalcificações é a mamografia.

A partir dos quarenta anos é recomendado submeter-se, anualmente, à mamografia e ao exame clínico com uma especialista. Realize os exames periódicos. A prevenção salva milhares de vidas todos os anos.

Previna-se. Procure Giovanna Gabriele – Médica Mastologista (11 3514 6000).

Como a dança dos hormônios afetam a mama

Diversos tipos de hormônios agem sobre as mamas, como os hormônios de crescimento, os sexuais (estrogênio) e os de lactação (prolactina). Durante a ovulação, o corpo da mulher se prepara biologicamente para uma gravidez e para que isso aconteça o corpo libera hormônios. Caso a gravidez não ocorra, os níveis hormonais reduzem e iniciam um novo ciclo.

Atualmente, com o avanço da medicina em favor de uma vida mais saudável, as mulheres usam métodos de controle para evitar a gravidez e consequentemente frustram o organismo que está naturalmente programado para engravidar toda vez que entra no ciclo menstrual.

Os dois órgãos que particularmente se preparam para a gravidez são o útero e as mamas. Quanto ao útero, quando não recebe o embrião, o seu tecido (endométrio) se desmancha, resultando na menstruação da mulher. Já quanto às mamas, a dança de hormônios, que varia mensalmente, provoca alterações no tamanho das mamas, que crescem e depois se retraem, funcionando como um elástico, que ao longo do tempo resulta em um desarranjo estrutural, dando origem a eventuais displasias mamárias (clique aqui e saiba o que é displasia mamária).

Previna-se. Procure Giovanna Gabriele – Médica Mastologista (11 3071 1812).

Muito tempo no fogão pode prejudicar a mama?

O suporte das mamas depende da qualidade da pele, já que não estão sustentadas por nenhum músculo. Por este motivo, devemos dar uma atenção especial a um dos grandes vilões da pele: o calor excessivo, o qual provoca a transpiração, liberando sal e deixando-a ressecada.

Mesmo não sendo uma tarefa exclusiva das mulheres, algumas utilizam o fogão no dia-a-dia, ficando expostas ao calor, que, ao longo do tempo, pode ressecar a pele. Para melhor validar nossa tese, sabendo que a altura média da mulher brasileira é de 1,60 metro e que, em geral, a altura dos fogões é de 1,10 metro, podemos concluir que as mamas são diretamente afetadas pelo calor emitido do fogão.

Reunimos quatros cuidados básicos para proteger suas mamas: (1) escolha roupas de cor clara e tecidos que mantenham a pele livre, respirando e confortável (veja este post: https://goo.gl/Qft4ua); (2) beba água regularmente, deixando a sua pele hidratada; (3) priorize temperatura amena ao tomar banho (veja este post: https://goo.gl/iODrIy); e, (4) utilize creme hidratante específico para as suas mamas.

Caso as suas mamas estejam apresentando alguma alteração, entre em contado conosco agora mesmo. Giovanna Gabriele – Médica Mastologista. (11 3071 1812)

Faz mal dormir com sutiã?

O indicado é dormir sem o sutiã, pois o tecido pode machucar a pele. De acordo com pesquisas científicas, o uso do sutiã pode restringir o funcionamento do sistema linfático. O sutiã comprime vários gânglios e vasos linfáticos, evitando a drenagem linfática natural do organismo, a qual é responsável por filtrar as toxinas.

Sabemos que algumas mulheres, especialmente aquelas com mamas grandes, não dispensam o uso do sutiã para dormir. Neste caso, sugerimos a aquisição de peças específicas para o uso noturno. Trata-se de um sutiã de forma adequada para separar as mamas, sem aros, e que evita o aparecimento de rugas causadas pela compressão do sutiã sobre as mamas.

Giovanna Gabriele – Médica Mastologista. (11 3071 1812)

Caroço na mama aos 16 anos

A mamografia é indicada para mulheres acima de 40 anos e é de extrema importância para o diagnóstico de doenças das mamas. Cada vez mais, as mulheres nessa faixa etária procuram se informar melhor e buscar soluções para manter a saúde das suas mamas em dia. Diante disso, é comum surgir o dilema “se a mamografia é indicada para mim, também deve ser indicada para minha filha ou sobrinha adolescente?”.

Nas adolescentes entre 3 e 16 anos, a mamografia não é indicada para ser realizada na avaliação médica, pois nesta idade as mamas são muito densas e estão em desenvolvimento. Nessa fase, que marca a transição entre a infância e a idade adulta, o método ideal para complementar o exame físico é a ultrassonografia mamária. É importante ressaltar que é raro o aparecimento de doença maligna de mama em adolescentes.

Caso apareça qualquer sinal estranho nas mamas, independentemente da idade, procure uma médica mastologista. Giovanna Gabriele – Médica Mastologista. (11 3071 1812)

Nódulo na mama, necrose adiposa

Traumas provocados diretamente nas mamas, como uma pancada, queda e tombo, são causas comuns de hematomas, que podem desencadear do surgimento da necrose adiposa, que é um caroço ou um nódulo que se forma a partir da ocorrência de danos na área do tecido adiposo mamário. A necrose adiposa é uma massa mamária indolor, cujo caroço ou nódulo formado nas mamas é melhor diagnosticado por meio do exame de mamografia.

Após confirmado o diagnóstico de necrose adiposa por um médico, seu tratamento mediante procedimento cirúrgico poderá ser feito caso esse nódulo aumente de tamanho, ou caso a paciente prefira. Por fim, vale destacar que o surgimento de necrose adiposa não proporciona o aumento do risco de desenvolver câncer da mama.

Não perca tempo, fale conosco por mensagem inbox aqui no Facebook ou ligue para agendar uma consulta (11 3071 1812). Médica Mastologista Giovanna Gabriele.

Ducto mamário bloqueado – O que você sabe Sobre?

Na mama existem vários pequenos canudos (ductos) que são responsáveis por levar o leite até o mamilo. Os ductos podem sofrer dilatação (ectasia), consequentemente, as paredes engrossam e a passagem enche de fluído. A substância formada nos ductos é espessa e pegajosa, a qual bloqueia a passagem do leite mamário.

Alguns sinais ou sintomas comuns da ectasia do ducto mamário:
(1) surgimento de pus branco, esverdeado ou preto em um ou ambos os mamilos;
(2) sensibilidade no mamilo ou tecido mamário circundante;
(3) vermelhidão do mamilo e, por vezes, na área circundante;
(4) surgimento de nódulo de mama ou espessamento perto do ducto obstruído; e,
(5) mamilo virado para dentro (invertido).

Os respetivos sinais ou sintomas de ectasia do ducto mamário podem melhorar por conta própria, mas não deixe de mencionar ao seu médico o ocorrido nas consultas.

Giovanna Gabriele – Médica Mastologista. (11 3071 1812)